Ideias revolucionárias

“No dia anterior, algo é um avanço, é uma ideia maluca.”

Eu realmente acredito nisso e é uma das Leis de Pedro, mas como sabemos que é verdade?

Acontece que existe um processo previsível para a evolução de grandes ideias inovadoras. Idéias revolucionárias.

Aprendi sobre esse processo com Sir Arthur C. Clarke, inventor do satélite de comunicação geoestacionário e autor de dezenas de livros de ficção científica best-sellers, incluindo 2001: A Space Odyssey.

Nas décadas de 1980 e 1990 tive a grande honra de conhecer Arthur C. Clarke, ele era “Tio Arthur” para mim, Bob Richards e Todd Hawley: os três co-fundadores da International Space University.

Clarke descreveu três fases de uma grande ideia:

1. No início, as pessoas dirão que a ideia é “maluca” – que nunca funcionará.

2. Em seguida, as pessoas dirão: “Bem, pode funcionar, mas não vale a pena fazer.”

3. Finalmente, eles dirão: “Eu disse a você que era uma ótima ideia o tempo todo!”

No blog de hoje, vou compartilhar uma história que exemplifica perfeitamente essa evolução: os esforços do gerente de projeto da NASA, Tony Spear, para pousar um veículo espacial não tripulado em Marte na década de 1990.

É uma história sobre a crença inabalável em uma ideia inovadora e ter a paixão e persistência para perseguir essa ideia – mesmo em face do risco e oposição de especialistas.

Resumindo, é uma história sobre empreendedorismo.

Deixe um comentário